domingo, 12 de janeiro de 2014

Lizzie Velasquez


No meu 12º ano desenvolvi um projecto sobre doenças raras, e tive oportunidade de lidar com miúdos especiais, miúdos que tiveram de enfrentar a vida de uma forma diferente desde que nasceram, que de uma forma ou de outra vão estar sempre condicionados.
Acho que aquilo que mais me surpreendeu ao longo desse ano foi ver a forma como as pessoas encaravam as coisas. Não vi revolta por todas as dificuldades que já tinham tido e que haviam de continuar a ter (e quando digo dificuldades refiro-me por exemplo ao facto de o estado não lhes dar todo o apoio necessário, a nível técnico ou económico), não vi mágoa, não vi tristeza. Vi pessoas que tentavam levar um dia de cada vez, pais a tentar com que os filhos tivessem o máximo de qualidade de vida e que fossem miúdos completamente integrados na sociedade, vi miúdos com um sorriso contagiante mesmo com todas as barreiras que tinham.

Quando há uns dias vi publicações no facebook sobre a Lizzie confesso que fiquei curiosa e fui ver a história dela. O aspecto físico dela deve-se a uma síndrome genética rara, e quando nasceu foi dito aos pais dela que não ganharia peso, não falaria, andaria ou faria qualquer outra coisa que as crianças saudáveis podem fazer.
O facto é que, contra todas as expectativas, hoje, com 25 anos, é formada em comunicação (ironicamente ou não), é escritora e dá palestras sobre motivação. Não é uma pessoa fisicamente atraente, mas tem uma força interior incrível, capaz de passar por cima de todas as humilhações e todas as limitações para se fazer ouvir.
Eu admiro-a.

"Vocês querem saber? Eu tive uma vida realmente muito difícil. As coisas foram assustadoras, foram pesadas. Mas minha vida está nas minhas mãos. Eu posso escolher fazer disso algo muito ruim ou algo muito bom. Eu decidi ser orgulhosa da pessoa que sou, de estar na pele em que estou. Me sinto especial. Posso não ver de um olho, mas vejo do outro. Posso ser magra demais, mas meu cabelo é ótimo. E pode ser que eu não pareça com a Kim Kardashian ou todas essas pessoas nas revistas ou as estrelas de cinema. Realmente não me vejo assim. Mas não me importa. Ninguém tem que parecer como uma esplendorosa celebridade. Seja quem é e sinta orgulho disso. A melhor forma de se vingar daqueles que julgam e te menosprezam é contra-atacar com seus méritos e conquistas."

12 comentários:

F. disse...

eu conheço a história dela e o seu percurso de vida , admiro-a mesmo

Mara disse...

sabia quem era, mas não fazia ideia do seu percurso!

F. disse...

r: é basicamente missão impossível

F. disse...

r: o meu também já me disse eu , mas a esperança nunca acaba e eu também não lhe vou dizer nada pq não me apetece enervar

F. disse...

r: por ter calma com ele é que me vou calar desta vez

Blackbird disse...

Admiro-a! É uma grande inspiração :)

Jota Esse disse...

Enquanto tanta gente se "queixa" por não conseguir ser como os outros, há estes exemplos de pessoas que têm uma vida de luta para conseguirem ser elas próprias.
Curiosamente, apesar de todas as condicionantes, algumas irradiam mais felicidade do que as primeiras. :)

Hibiscus disse...

Também já vi a história dela e acho inspiradora. A dela e de todas as pessoas que passam por coisas idênticas com a maior vontade de viver e ultrapassar tudo.

Ace disse...

ontem vi um vídeo dela, numa conferência que fez e é uma motivação.

Patrícia disse...

Wow, dá que pensar... Uma força enorme, meu deus!

Noa disse...

Grande lição que essa mulher deu a toda a gente!

Filipa disse...

Não conhecia...mas sem duvida que é uma grande história de vida :) até dá gosto saber que ainda existem pessoas assim!

Http:/styleloveandsushi.blogspot.com