segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Reforma? Para quando?


Hoje tive contacto com uma enfermeira mais velha - a mais velha desde que me lembro de andar em estágio, devia ter mais de 60 anos. E tudo nela era lentificado. Acabava por fazer tudo aquilo que lhe competia mas notava-se desorganização, alguma falta de atualização de conhecimentos, falta de energia.  Notava-se sobretudo cansaço.
E agora eu pergunto-me se é isto que querem ao aumentar ainda mais a idade da reforma para os 67 anos. Pessoas que já só se deviam preocupar em gozar a velhice, a ter de se preocupar em assegurar os empregos, a ocupar o lugar de pessoas que acabaram por se licenciar. 
Isto não é de todo uma crítica a essa enfermeira, nem uma tentativa de tirar o mérito a profissionais com mais idade, só acho que trabalhar até tão tarde devia ser uma opção pessoal de cada um.

4 comentários:

Mara disse...

concordo completamente!

Margot disse...

opção pessoal não sei se também seria a melhor opção! há por aí muita gente com um amor desmesurado ao que faz, mas que se calhar já não está nas melhores condições. a idade é sempre a idade e o cansaço igualmente, quantos erros perigosíssimos não se cometeriam (na saúde, precisamente) por se querer continuar a trabalhar, apesar de já não ter condições?

Laura disse...

Concordo contigo!

Kiara disse...

Há profissões que deviam ter "critérios especiais" no que toca à reforma. Por exemplo médicos (e com médicos refiro-me a todos os profissionais de saúde) e professores, principalmente.