quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Parabéns S.


"É estranho pensar em tudo aquilo que vivemos, tudo aquilo por que passamos, tudo aquilo que tivemos de superar para continuarmos juntos, todos os planos para o futuro, todas as promessas. É estranho pensar que tudo acabou e que hoje já mal nos falamos. Como já li em algum lado, agora somos apenas dois estranhos com boas memórias.
Eu não te culpo pelas coisas terem chegado ao fim, não guardo qualquer tipo de rancor. Acho que podíamos ter levado um rumo diferente, é verdade. Mas se calhar já era para ser assim.
E sabes? Quando há uns dias me disseste "sinto que quando pensas em mim, não é muito positivo. Parece que as coisas estão mal entre nos, mas falamos quase como se nada fosse, como se estivéssemos a ser superficiais. Por dentro cada um de nos quer disparar algo", foi como se adivinhasses exactamente o que eu estava a sentir. Eu quando penso em ti não sinto mágoa, não sinto raiva, mas também não sinto saudades. Preocupo-me que algo de mal te possa acontecer, mas não sou capaz de tomar a iniciativa de te mandar uma simples mensagem para irmos tomar café.
Acho que para mim vais ser sempre recordado como aquela pessoa que esteve um ano a tentar conquistar-me, aquela pessoa que foi sempre compreensiva com as minhas indecisões, sempre disposto a aceitar-me de volta. Mas também te vou recordar sempre como aquela pessoa que foi possessiva e ciumenta até eu não aguentar mais, aquela pessoa que fez com que eu passasse a afastar-me de alguém assim que percebesse que havia indícios de ciúmes.
De qualquer das formas, foste o meu primeiro namorado, e isso para mim vale muito. "

Escrevi esta "carta" há muito tempo, quando estive afastada dele, e nunca cheguei a publicar. Mas agora, ao percorrer os rascunhos do blog, voltei a lembrar-me desta altura. Voltei a estar com ele uma vez depois disto. E acho que foi depois daí, depois de eu lhe ter dado a oportunidade de se ter despedido de mim pessoalmente, que cortamos relações definitivamente. Acho que para ele funcionou como o virar de página que eu já lhe devia ter proporcionado há tanto tempo .
Ele faz anos hoje. E é o primeiro ano em que não lhe vou mandar uma mensagem gigante de aniversário, depois de tantos. Não sei se se tornou numa pessoa diferente entretanto, se tem namorada ou não, se continua no mesmo emprego, com os mesmos amigos. Só sei que tenho pena de ter perdido uma pessoa como ele.

E hoje a minha mensagem de aniversário não vai passar de um "Parabéns, beijinhos" como costumo mandar a metade da minha lista telefónica, como se ele fosse apenas mais um.

4 comentários:

Mara disse...

parabéns a ele*

Amy ☮ disse...

"Só sei que tenho pena de ter perdido uma pessoa como ele." sabes que, ao tratá-lo como se te fosse indiferente, vais-te magoar a ti e não tanto a ele... :/

r: oh meu deus xD

Lani disse...

Às vezes o afastamento é a melhor decisão :) *

P' disse...

Percebo tão bem esta carta... No ano a seguir a eu e o meu ex termos terminado também foi assim no aniversário dele... Foi tão estranho que nem sabia se estava a fazer o mais correcto em mandar-lhe os parabéns.