domingo, 25 de outubro de 2015

Assusta


O cancro assusta. Assusta muito. E quanto mais se sabe mais assusta.
Não posso dizer que seja uma realidade estranha para mim, porque como enfermeira já estive lá muitas vezes. Mas embora seja difícil de qualquer das maneiras, é sempre muito diferente estar lá enquanto enfermeira e estar lá enquanto familiar.
O meu avô tem cancro. O meu avô que me criou, que vive comigo desde sempre e que me viu crescer, tem cancro. E a única coisa que eu posso fazer é observar todo o processo que sei quase de cor. 

2 comentários:

Catarina disse...

Força querida :)

♥Cat disse...

Força Nina!
É mesmo assustador...